A Glândula Pineal

Alma na pineal?

Já imaginou o toda a essência humana contida numa glândula do tamanho de um feijão? Passemos adiante, ainda no campo da filosofia, desta vez espírita, na questão 146 de O Livro dos Espíritos: “A alma tem, no corpo, uma sede determinada e circunscrita? — Não. Mas ela se situa mais particularmente na cabeça, entre os grandes gênios e todos aqueles que usam bastante o pensamento e no coração dos que sentem bastante, dedicando todas as suas ações à Humanidade.” Ou seja, até possui uma área de influência maior no corpo em certas áreas de interesse do espírito. Mas daí a se situar no corpo vai longe… Só que a pineal teima em aparecer em outras culturas, com grande importância: Na filosofia hindu, o sexto chakra, Ajna, está localizado um pouco acima dos olhos, entre as sobrancelhas (ponto conhecido como bhrumadhya). É simbolizado por um olho – o tão falado “terceiro olho” – que seria o olho da mente. Quando este chakra é estimulado e desenvolvido, ou seja, quando o olho é “aberto” através de mantras e meditações, é revelada uma nova dimensão da realidade para o praticante. Estudiosos ocidentais encararam isso como uma metáfora poética e nada mais.

Até que, em meados do século 19, quando o território da Austrália começou a ser explorado, um réptil nativo chamou a atenção dos pesquisadores, o Tuatara (Sphenodon punctatum). Este animal tem, em adição aos seus dois olhos, um terceiro encrustrado no crânio, revelado apenas por um pequeno orifício coberto por uma membrana, possui uma retina e uma conexão nervosa com a pineal, mas cientistas disseram que não possui funcionalidade, já que não possui conexão com o cérebro. A presença desse terceiro olho é um desafio para os cientistas, já que quase todos os vertebrados possuem uma estrutura homóloga no centro do crânio, seja répteis, peixes, pássaros e mamíferos. Essa estrutura é conhecida como a glândula pineal. Essa glândula está situada no cérebro, entre os dois hemisférios. No embrião, a pineal começa a se formar como um verdadeiro olho, e depois é que degenera! Já está demonstrado que a glândula é sensível a luz, por conter fotorreceptores iguais aos presentes na retina dos olhos. Ela é um órgão cronobiológico, um relógio interno que capta as radiações do Sol e da Lua e dá ao organismo a referência de horário. Baseado nisso, ela produz o hormônio melatonina, que regula os instintos de acordar e dormir. Também produz naturalmente traços do químico dimetiltriptamina (ou DMT), que é alucinógeno (encontrado no chá Ayahuasca).

E qual a relação da pineal com o chakra Ajna? É que, na tradição da Yoga, o Ajna origina-se a partir da glândula pineal, muito embora a Teosofia, através do livro Os Chakras, de Leadbeater, fale que na maioria dos indivíduos o vórtice dos Chakras Coronário e Ajna convergem para a glândula pituitária, mas em alguns casos (médiuns? sensitivos?) o Coronário se inclina até a pineal, como mostra o desenho ao lado, mas não o Ajna. Confusão estabelecida, consultei Lázaro, da lista Voadores, e obtive a resposta: “a relação dos chakras com glândulas é, segundo conhecimentos mais recentes, e médicos espiritualistas de alto discernimento, uma relação simbólica, por equivalência de funcionalidade. E ainda assim indireta, uma vez que os chakras se ligariam aos plexos, e estes sim às glândulas endócrinas”. Então, ao meu ver, parece ser uma questão de discutir o sexo dos anjos, já que a coisa toda é metafísica, energética, e não física. Seja como for, pra explicar de uma forma didática e prática, o Ajna atua sobre a pineal-chakrasglândula HIPÓFISE (pituitária, embaixo), enquanto o Coronário atua sobre a glândula EPÍFISE (pineal, em cima). Ainda assim, não se pode negar uma clara relação do chakra Ajna com a pineal, como pudemos observar no caso de Hira Ratan Manek, que não se alimenta há mais de 7 anos e obtém energia através da estimulação da pineal com raios solares, através da retina, mas que também sugere para se abastecer de energia apenas o uso do terceiro olho (Ajna). Na Yoga, os nadis Ida e Pingala se encontram no centro da testa, que é a morada da alma (Atman). Para representar a importância deste ponto, os hindus usam o Tilaka, um símbolo que pode ter diferentes formas e significados. Os Vaishnavites (seguidores de Vishnu) usam uma marca em forma de U neste ponto, chamada de Urdhva-pundra, já os seguidores de Shiva usam o Shaivite Tripundra tilak, composto por três linhas horizontais, símbolo este que até mesmo o Papa João Paulo II se permitiu receber em sua testa. Já as mulheres casadas usam o Bindi, uma pintura em forma de ponto, que tem um sentido espiritual, tradicional e também decorativo. Hoje em dia já virou moda, e é usado por mulheres casadas ou não, geralmente como um pingente auto-adesivo.

indian-woman-bindiNa Seicho-no-ie diz-se que o terceiro olho é o centro da divina compreensão e divina imaginação, e que, quando em perfeita atividade, permite a visão de planos superiores (a chamada clarividência) e o acesso de acontecimentos do presente/passado/futuro. Dá acesso também ao que denominamos de intuição, percepção e ainda à temperança, à abstinência, à dignidade, à veneração, a sentimentos delicados, à inteligência e ao discernimento. Os Taoístas dizem que depois que a criança sai do útero, o espírito primal começa a residir justamente no terceiro olho, “Olho Celestial”!

Já a medicina chinesa não considera o cérebro a sede da alma e do espírito, e sim cada célula do corpo, assim como o campo magnético do organismo. O órgão Yin do Fogo, o Coração, é considerado o centro da consciência, do sentir e do pensar. No coração manda Shin, o espírito do Fogo. O ideograma chinês Shin pode ser traduzido como “espírito”, “alma”, “Deus”, “divino” e “eficácia”. Quando dizemos que alguém tem “espírito”, refletimos o significado desse ideograma. Shin tem duas residências: A residência de baixo é o coração, a partir de onde se encarrega de equilibrar os sentimentos e de favorecer uma maneira de falar sincera. Sua residência de cima é o terceiro olho, ou o chacra da frente, onde cria clareza de pensamentos e consciência no modo de viver. Quando essas faculdades são encontradas numa pessoa, seu Shin está cheio de força e saúde. Isso se vê no brilho e na luz de seus olhos. Uma fantástica semelhança com o que está na Codificação Espírita… Tais coincidências não passaram desapercebidas aos cientistas. Obras de André Luiz, em especial o livro Missionários da Luz, escrito em 1945, atraem a curiosidade dos estudiosos por conter descrições detalhadas da maquinaria humana interagindo com o mundo espiritual.

No capítulo 1 do livro psicografado por Chico Xavier vemos que a pineal é claramente citada como o centro da mediunidade: “- Observe. Estamos diante de um médium de psicografia comum. Antes do trabalho a que se submete, nossos auxiliares já prepararam seus potenciais para que não tenha a saúde física perturbada. O trabalho de transmissão da mensagem não será simplesmente ‘tomar a mão’. Há outros processos complexos envolvidos.

E, diante de minha profunda curiosidade científica, Alexandre aplicou-me suas energias magnéticas e passei a ver, no corpo do médium, um grande laboratório de forças vibratórias. Meu poder de visão era superior ao dos raios X. As glândulas do rapaz transformaram-se em pontos luminosos, como pequenas usinas elétricas, mas preferi me deter para observar melhor o cérebro, em particular. Os condutores da medula pareciam um pavio longo, carregando a luz mental, como chama de uma vela enorme. Os centros metabólicos me surpreendiam. O cérebro apresentava brilho em seus desenhos. Os lobos cerebrais pareciam correntes dinâmicas. As células corticais e as fibras nervosas, com suas ramificações finíssimas, formavam delicado conjunto de condutores das energias mais profundas e desconhecidas. Nesse processo, sob a luz mental sem definição, a pineal emitia raios azulados e intensos. – Percebeu o mecanismo? – perguntou Alexandre, interrompendo meu deslumbramento. – Transmitir mensagens de um plano para outro, no serviço de orientação humana – continuou – exige esforço, boa vontade, cooperação e propósito justo. É claro que o treinamento e a colaboração espontânea do médium facilitam o trabalho, mas, seja como for, o processo não é automático. Requer muito conhecimento, oportunidade e consciência. – (…)Estamos observando as particularidades do perispírito.

Você pode perceber agora que todo corpo glandular é uma central elétrica. No exercício de qualquer tipo de mediunidade a pineal desempenha o papel mais importante. É no equilíbrio de suas forças que a mente humana intensifica o poder de emissão e recepção de raios característicos do nosso plano. E é nela que encontramos o novo sentido dos homens, embora ainda adormecida na maioria deles. Percebi que, de fato, a glândula pineal do médium emitia luz cada vez mais intensa.” Há ainda um outro trecho mais longo onde André Luiz se detém especificamente na Pineal. Poderíamos então deduzir que a pineal seria a porta de entrada do espírito? Afinal, se ela se conecta a um espírito (que não o nosso) pra permitir a incorporação, por que não é também o canal de comunicação do nosso próprio espírito com o corpo, que (agora sabemos) não é mais do que um veículo emprestado pela Mãe Terra? A resposta pode ser afirmativa, se encararmos a pineal como uma antena, e os outros sistemas do cérebro como o receptor responsável pela interpretação dos sinais. Vejamos o cap. X do livro “Mecanismos da Mediunidade”, do mesmo autor: “…A corrente mental (…) vibra, ainda (…) no conjunto talâmico e hipotalâmico, em que se mecanizam os reflexos do Espírito”. Fantástica definição. Seria a mediunidade, de fato, um atributo biológico e não um conceito religioso, como postulou Allan Kardec? Foi pra responder a essa pergunta que o psiquiatra e mestre em Ciências pela Universidade de São Paulo, dr. Sérgio Felipe de Oliveira, diretor-clínico do Instituto Pineal Mind e diretor-presidente da AMESP (Associação Médico-Espírita de São Paulo), voltou seu interesse ao estudo da pineal e sua relação com a mediunidade. Vejamos agora trechos da entrevista publicada pela Revista Espiritismo & Ciência, volume 3: Quando surgiu seu interesse no aprofundamento do estudo da pineal? Foi por volta de 1979/80, quando eu estava estudando a obra de André Luiz, psicografada por Chico Xavier. Em Missionários da Luz, a pineal é claramente citada. Nesta mesma época, eu já pleiteava o curso de Medicina. No colégio, estudando Filosofia, fiquei impressionado com a obra de Descartes, que dizia que a alma se ligava ao corpo pela pineal. Quando entrei na faculdade, corri atrás destas questões, do espiritual, da alma e de como isso se integra ao corpo. A glândula pineal seria resquício de algum órgão que está se atrofiando, ou estaria ligada a uma capacidade psíquica a ser desenvolvida? Eu acredito que a pineal evoluiu de um órgão fotorreceptor para um órgão neuroendócrino. A pineal não explica integralmente o fenômeno mediúnico, como simplesmente os olhos não explicam a visão. Você pode ter os olhos perfeitos, mas não ter a área cerebral que interprete aquela imagem. É como um computador: você pode ter todos os programas em ordem, mas se a tela não funciona, você não vê nada. A pineal, no que diz respeito à mediunidade, capta o campo eletromagnético, impregnado de informações, como se fosse um telefone celular. Mas tudo isso tem que ser interpretado em áreas cerebrais, como por exemplo, o córtex frontal. Um papagaio tem a pineal, mas não vai receber um espírito, porque ele não tem uma área no cérebro que lhe permita fazer um julgamento. A mediunidade está ligada a uma questão de senso-percepção. Então, a ela não basta a existência da glândula pineal, mas sim, todo o cone que vai até o córtex frontal, que é onde você faz a crítica daquilo que absorve. A mediunidade é uma função de senso (captar)-percepção (faz a crítica do que está acontecendo). Então, a mediunidade é uma função humana. A pineal converte ondas eletromagnéticas em estímulos neuroquímicos? Isso é comprovado cientificamente? Sim, isso é comprovado. Quem provou isso foram os cientistas Vollrath e Semm, que têm artigos publicados na revista científica Nature, de 1988. A parapsicologia diz que estes campos eletromagnéticos podem afetar a mente humana. O dr. Michael Persinger, da Laurentian University, no Canadá, fez experiências com um capacete que emite ondas eletromagnéticas nos lobos temporais. As pessoas submetidas a essas experiências teriam tido “visões” e sentiram presenças espirituais. O dr. Persinger atribui esses fenômenos à influência dessas ondas eletromagnéticas. O que o senhor teria a dizer sobre isso? Veja, o espiritual age pelo campo eletromagnético. Então, dizer que este campo interfere no cérebro não contraria a hipótese de uma influência espiritual. Porque, se há uma interferência espiritual, esta se dá justamente pelo campo eletromagnético. Quando se fala do espiritual, em Deus, a interferência acontece na natureza pelas leis da própria natureza. Se o campo magnético interfere no cérebro, a espiritualidade interfere no cérebro PELO campo magnético. Uma coisa não anula a outra. Pelo contrário, complementam-se. A mediunidade seria atributo biológico e não um conceito religioso? Existe uma controvérsia no meio científico a esse respeito? A mediunidade é um atributo biológico, acredito, que acontece pelo funcionamento da pineal, que capta o campo eletromagnético, através do qual a espiritualidade interfere. Não só no espiritismo, mas em qualquer expressão de religiosidade, ativa-se a mediunidade, que é uma ligação com o mundo espiritual. Um hindu, um católico, um judeu ou um protestante que estiver fazendo uma prece, está ativando sua capacidade de sintonizar com um plano espiritual. Isso é o que se chama mediunidade, que é intermediar. Então, isso não é uma bandeira religiosa, mas uma função natural, existente em todas as religiões. E isso deve acontecer através do campo magnético, sem dúvida. Se a espiritualidade interfere, é pelo campo eletromagnético, que depois é convertido, pela pineal, em estímulos eletroneuroquímicos. Não existe controvérsia entre ciência e espiritualidade, porque a ciência não nega a vida após a morte. Não nega a mediunidade. Não nega a existência do espírito. Também não há uma prova final de que tudo isto existe. Não existe oposição entre o espiritual e o científico. Você pode abordar o espiritual com metodologia científica, e o espiritismo sempre vai optar pela ciência. Essa é uma condição precípua do pensamento espírita. Os cientistas materialistas que disserem “esta é minha opinião pessoal”, estarão sendo coerentes. Mas se disserem que a opção materialista é a opinião da ciência, estarão subvertendo aquilo que é a ciência. A American Medical Association, do Ministério da Saúde dos EUA, possui vários trabalhos publicados sobre mediunidade e a glândula pineal. O Hospital das Clínicas sempre teve tradição de pesquisas na área da espiritualidade e espiritismo. Isso não é muito divulgado pela imprensa, mas existe um grupo de psiquiatras lá defendendo teses sobre isso. Como são feitas as experiências em laboratório? Existem dois tipos: um, que é a experiência de pesquisa das estruturas do cérebro, responsáveis pela integração espírito/corpo; e outra, que é a pesquisa clínica, das pessoas em transe mediúnico. São testes de hormônios, eletroencefalogramas, tomografias, ressonância magnética, mapeamento cerebral, entre outros. A coleta de hormônios, por exemplo, pode ser feita enquanto o paciente está em estado de transe. E os resultados apresentam alterações significativas. As alterações em exames de tomografia, por exemplo, são exclusivas ou condizentes com outras patologias? O senhor descarta a hipótese de uma crise convulsiva? Isso é bem claro: a suspeita de uma interferência espiritual surge quando a alteração nos exames não justifica a dimensão ou a proporção dos sintomas. Por exemplo: o indivíduo tem uma crise convulsiva fortíssima, é feito o eletroencefalograma e aparece uma lesão pequena. Não há, então, uma coerência entre o que está acontecendo e o que o exame está mostrando.. A reação não é proporcional à causa. A mediunidade mexe com o sistema nervoso autônomo – descarga de adrenalina, aceleração do ritmo cardíaco, aumento da pressão arterial. É verdade que a pineal se calcifica com a meia-idade? E essa calcificação prejudica a mediunidade? Não, a pineal não se calcifica; ela forma cristais de apatita, e isso independe da idade. Estes cristais têm a ver com o perfil da função da glândula. Uma criança pode ter estes cristais na pineal em grande quantidade enquanto um adulto pode não ter nada. Percebemos, pelas pesquisas, que quando um adulto tem muito destes cristais na pineal, ele tem mais facilidade de seqüestrar o campo eletromagnético. Quando a pessoa tem muito desses cristais e sequestra esse campo magnético, esse campo chega num cristal e ele é repelido e rebatido pelos outros cristais, e este indivíduo então apresenta mais facilidade no fenômeno da incorporação. Ele incorpora o campo com as informações do universo mental de outrem. É possível visualizar estes cristais na tomografia. Observamos que quando o paciente tem muita facilidade de desdobramento, ele não apresenta estes cristais. As crianças teriam mais sensibilidade mediúnica? A mediunidade na criança é diferente da de um adulto. É uma mediunidade anímica, é de saída. Ela sai do corpo e entra em contato com o mundo espiritual. A pineal pode ser estimulada com a entoação de mantras, como pregam os místicos? A glândula está localizada em uma área cheia de líquido. Talvez o som desses mantras faça vibrar o líquido, provocando alguma reação na glândula. Os cristais também recebem influências de vibração. Deve vibrar o líquor, a glândula, alterando o metabolismo. Teria lógica. Fale um pouco sobre seu trabalho à frente da AMESP e do Instituto Pineal Mind. A AMESP é uma associação de utilidade pública que reúne médicos dedicados ao estudo da relação entre a medicina e a espiritualidade. O Pineal Mind é minha clínica, um instituto de saúde mental, onde fazemos pesquisas e atendemos psicoses, síndromes cerebrovasculares, ansiedades, depressão, psicoses infantis, uso de drogas e álcool. Temos um setor de psiconcologia (psicologia aplicada ao câncer) e estudamos também os aspectos psicossomáticos ligados à cardiologia, etc. Agora, particularmente nas pesquisas comportamentais, eu estudo os estados de transe e a mediunidade. Mas não pesquiso só a glândula pineal; ela é o que eu pesquiso no cérebro, interessado em entender a relação entre corpo e espírito. O que é psicobiofísica? É a ciência que integra a psicologia, a física e a biologia. Na biologia, estudamos o lobo frontal, responsável pela crítica da razão; mas o cérebro funciona eletricamente – aí entra a física, que serve de substrato para o pensamento crítico, que é o psicológico. ____________ Neste link há um acervo de vídeos do MEDINESP, o Congresso médico-espírita de São Paulo. Dentre eles recomendo a palestra “Glândula Pineal: Luz, Tempo e Comunicação”, do dr. Sérgio Felipe que, além de tudo, é um ótimo palestrante. Há também uma entrevista dele ao programa Comando da Madrugada, onde ele acopla um médium a um eletroencefalograma, e então acompanha os padrões cerebrais dele antes e depois de incorporado. Obviamente os padrões se alteram, coisa que não dá pra “fingir”. Já fizeram a mesma análise com Chico Xavier uma vez. A reportagem de uma revista nacional conseguiu fotocópia de um eletroencefalograma de Chico Xavier e submeteu-o ao exame de psiquiatras paulistanos, que chegaram a conclusão de que o médium é epilético. Só que o eletro fazia parte das pesquisas do próprio médico de Chico, o dr. Elias Barbosa, professor da Faculdade de Medicina de Uberaba, interessado em pesquisas sobre o transe mediúnico. O gráfico examinado e publicado referia-se apenas a um momento de pesquisas, justamente o que ele estava em transe mediúnico. Já os gráficos feitos com Chico em estado normal não acusavam alterações significativas das ondas cerebrais, ou seja, quando Chico entra (voluntariamente, diga-se) em transe mediúnico, o eletrencefalograma registra picos que se assemelham à epilepsia. Só que a epilepsia não é uma doença, e sim um sintoma. O que ali se verificava era um indício positivo daquilo que o professor Ernesto Bozzano considerava “a ação de uma mente não-encarnada sobre a mente encarnada do médium”. Resumir o fenômeno a uma patologia é o equivalente a um parecer médico que diz apenas que “o paciente sofre de febre”, quando a febre é apenas o resultado da luta do corpo contra uma ameaça, que pode ser virótica, bacteriana, ou outra coisa qualquer. O dr. Elias nos esclarece ainda que não há explicação definitiva para a causa das descargas de alta freqüência nos focos críticos de um paciente epilético típico, ou seja, não sabemos realmente o que causa a epilepsia, que pode até mesmo ter origem na mediunidade descontrolada!

Referência: Da Glândula Pineal à Sensibilidade Espiritual (II);
Ajna chakra 3rd eye (artigo interessante sobre a pineal, em inglês);
Blog espiritualizado (vários trechos dos livros de André Luiz sobre os mecanismos da mediunidade);
Face a face com Chico Xavier;
Osho: O momento atômico

Anúncios

Uma resposta

  1. Olá, saudações. É o Décio.
    “Abrimos” o blog http://www.blig.ig.com.br/dlmendes
    Temos algo pertinente a transmitir ( Parapsicologia – glândula pineal – solução científica,….etc….).
    Aguardamos a sua visita.
    Faça o seu comentário.
    Desde já agradecemos.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: